Surf-trip México – Planejamento e logística

Começamos a planejar uma trip-surf para o México ainda quando estávamos surfando a Nicarágua, em Abril/2012. Naquela trip, éramos eu, o João, o Luis Cláudio e o Sastre. Acho que foi o João que veio com a ideia e nós topamos na mesma hora. Todos já tínhamos visto vídeos e depoimentos das ondas espetaculares que rolavam no sul do México, em especial, as direitas da região de Salina Cruz, também Barra De La Cruz, além de Puerto Escondido e seus tubos poderosos.

Bandeira do México
Bandeira do México

Como em 2012 eu já tinha agendada a trip para Austrália/Indonésia/Nova Zelândia no segundo semestre, pilhei a galera de fazermos a trip mexicana no primeiro semestre de 2013. Ficamos acertados então de começar os preparativos e organizar a logística no final de 2012. Nesta época, começamos a fazer alguns orçamentos e levantar informações sobre os picos de surfe e da logística para chegar até eles. Definimos que o foco da trip seria surfar os picos da região de Salina Cruz e ainda aproveitar alguns dias em Barra De La Cruz e Puerto Escondido. Todos estes localizados na região de Oaxaca, no sul do México, pelo lado do pacífico.

Salina Cruz é uma cidade de pequeno porte no sul da região de Oaxaca, ficando a cerca de 2 horas e meia do aeroporto de Huatulco. É um lugar tranquilo como uma típica cidade de interior, mas lá existem ondas incríveis que a muito pouco tempo começaram a ser exploradas no surfe mexicano. São em sua maioria point breaks com direitas longas que quebram sobre fundo de pedra/areia em praias muitas vezes desertas e de difícil acesso. 

Barra De La Cruz é um pequeno povoado que está localizado a cerca de meia hora ao sul de Huatulco. É um point break de direita, que passou a ser mundialmente conhecida após o famoso campeonato Rip Crul The Search. Proporciona uma onda longa e com sessões de manobras e tubos.

Já Puerto Escondido é considerada a Pipeline mexicana, uma onda rápida, tubular e muito pesada. É tida por muitos o melhor beachbreak do mundo.

A melhor época para surfar a região de Oaxaca vai de maio a outubro. Sempre com água quente e sol forte bombando o dia todo.

Região de Oaxaca
Região de Oaxaca

Primeiramente, fizemos os orçamentos com as principais agências de surf-trips do país, porém todos foram extremamente elevados. Uma das razões para o alto valor se dava pela necessidade de, além de voar até a Cidade do México, realizar mais um voo interno, até a região de Oaxaca. Mas o principal motivo para os altos valores era o fato de os picos da região de Salina Cruz serem extremamente inacessíveis e por toda a região ser controlada pela associação dos surfistas locais. Não se consegue surfar nenhum lugar em Salina Cruz, sem estar acompanhado de um guia local. Deste modo, há algumas poucas opções de companhias que operam na região, e elas oferecem somente o pacote completo e fechado para o surfe no local: acomodação, refeições, guia e transporte em 4×4. Se por um lado isto traz comodidade, por outro, formou-se uma espécie de monopólio e os preços praticados são literalmente “prá gringo”! Decidimos abortar a missão de pegar pacotes com as agências e fazer a organização da trip do nosso modo de sempre: fuçar toda a internet por informações/contatos e organizar tudo “por fora”.

Bem no início de 2013 então, o Denis envio um email repassando uma mega oferta de passagens da TACA do Brasil para o México. Eu logo comprei a minha, em seguida o Luis Cláudio e na sequencia o João. Precinho de ocasião e parcelado em 10x. O Sastre, nesta época, estava envolvido com mudanças no trabalho e também com o mestrado e deixou para decidir se iria junto ou não mais adiante. Infelismente, por estes mesmos motivos, ele teve que abortar a ida junto conosco na trip.

Conversando então com um amigo que em 2012 havia surfado em Salina Cruz, consegui o contato direto de um guia-local de lá, chamado Fito e começamos a negociar um pacote para que ele realizasse o serviço de guia, sem intermédio de nenhuma companhia. Fechamos então um pacote com ele, apenas para o serviço de guia e o transporte para os picos com a camionete dele. Ficou bem mais em conta que o valor dos pacotes. Também através da indicação deste meu amigo, reservamos o Hotel Amerik em Salina Cruz, para a nossa hospedagem no período.

Faltava então organizar como ir da Cidade do México até a região de Oaxaca. O principal aeroporto da região é o aeroporto de Huatulco, que fica a cerca de 2hrs e 30 min de Salina Cruz. Este aeroporto tem voos operados pela AeroMéxico e pela Interjet. Os preços das passagens da Cidade do México até lá por estas companhias até que não eram algo absurdo, porém a taxa que as companhias cobravam para transportar as pranchas tornaram esta opção impraticável para nós. A AeroMéxico cobra uma tarifa de U$ 76,00 por prancha cada trecho. Como levaríamos pelo menos 2 pranchas cada um,  acabaríamos gastando mais de 300 dólares cada um de nós pela ida-volta.

Passamos a considerar então a possibilidade de ir de ônibus, desde a Cidade do México até Salina Cruz. Pesquisamos as opções e já tínhamos optado pelo busum, porém quando fomos realizar a compra das passagens pela internet, descobrimos que as cias de buses mexicanas não aceitavam cartões de crédito de fora do México, e não teríamos outra opção para realizar a compra.

Foi então que resolvemos mudar um pouco o roteiro da trip. Decidimos ir primeiro para Puerto Escondido, voando pela VivaAerobus, que tinham voos bem baratos até lá e as taxas para transporte de pranchas eram baixas, e de lá então ir de ônibus até Salina Cruz, fazendo um pit-stop em Barra De La Cruz no meio do caminho. Surfaríamos então 8 dias em Salina Cruz, retornaríamos de bus para Puerto, mais um dia de surfe em Puerto e voaríamos desde Puerto de volta para a Cidade do México. Conseguimos passagens por U$ 56 pela VivaAerobus para cada trecho México DF<->Puerto Escondido, mais uma taxa de U$ 23 por Pack contendo até 2 pranchas. Ficou de barbada.

Teríamos que passar ao menos uma noite na Cidade do México antes de voar para Puerto, pois os voos provenientes do Brasil chegam no México já no final da tarde, não dando tempo para voar no mesmo dia para o sul do país. Pesquisando então um pouco sobre a Cidade do México e hospedagem lá, vimos que valeria ficar alguns dias também na capital federal, pois a mesma tinha inúmeras atrações que não poderíamos deixá-las passar em branco. Dentre as principais atrações da Cidade do México, estão o Zócalo/Plaza de la Constituicion, o Templo Mayor, o Palácio Nacional (e os murais de Diego Riveira), o Paseo de la Reforma/Ángel de la Independencia, Parque/Castelo de Chapultepec, a Basílica de Guadalupe, o Palácio de Bellas Artes, Estadio Asteca,  o mirante da Torre Latinoamericana, dentre várias outras. Mas a principal atração era mesmo as Ruínas de Teotihuacán, uma civilização pré-Azteca e que localiza-se a apenas 45 km da Cidade do México. Decidimos então ficar mais um dia na Cidade do México no início da trip e também mais um dia no final, antes de retornar ao Brasil, para conhecer estes lugares.

Reservamos as hospedagens na Cidade do Méxco no Mundo Joven Hostel Catedral, que fica ao lado do Zócalo, bem na região central da cidade. Para os dias que ficaríamos em Puerto Escondido, fechamos com Hotel Arco-Íris, na beira da praia em Zicatela. E em Barra de La Cruz, acertamos a hospedagem na Pepe Cabanas (c_pepecastillo@hotmail.com).

Para ingressar no México, nós brasileiros não necessitamos de Visto, mas o viajante precisa de uma Autorização Eletrônica, expedida junto ao site http://www.inm.gob.mx/index.php/page/Inicio_Autorizacion_Electronica/pt-br.html.  Esta autorização é bem simples de tirar, são bem poucos campos para preencher e já sai na hora (a não ser no caso do requerente possuir antecedentes criminais ou já ter sido expulso do México alguma vez). Ela deve ser preenchida um mês antes da viagem ou mais próximo da data do embarque, e apresentada no momento do check-in no balcão da Cia Aérea. Quem já possui visto americano não precisa preencher o formulário e tem livre acesso. Nós tiramos a Autorização Eletrônica em menos de 5 minutos.

Logística pronta, só faltava embarcar !

Anúncios

5 comentários sobre “Surf-trip México – Planejamento e logística

      1. Brow, curti muito seu roteiro e suas dicas. Será que você teria um contado de um guia de surf do Mexico? Queria driblar os preços exorbitantes dos pacotes de surf.

  1. Td bem Andrei?
    Parabéns pela matéria e pela trip…
    Estou indo com minha namorada em Agosto para ficar 15 dias no México e estamos pesquisando para ie para o Sul em Oaxaca.
    Lendo seu Blog gostei das indicações e dicas.
    Quero entender um pouco mais sobre o pico.
    Tens facebook para falar diretamente contigo?
    Obrigado.
    Abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s